Informação Técnica sobre o Colagénio

Juntámos os principais artigos técnicos e publicámo-los no nosso site. Nesta página nós fornecemos os detalhes de alguns contribuintes, o título artigo e um resumo dos temas abordados.

Excertos tirados do livro “Look and Fell Younger”, do Dr. Warren Chaney


Notas: Não fazemos qualquer afirmação ou aconselhamento. Toda a informação aqui apresentada é proveniente de páginas de Internet já disponíveis na Internet e pesquisas feitas pelo fabricante:

Clique no titulo de cada coluna para ler o texto completo
 

Colagénio – O laço que une

COLLAGEN - THE TIE THAT BINDS
Dr. Warren Chaney
 

Contribuintes: A. Berton, V. Rigot, E. Huet, M. Decarme. Alex Suh, DC, et al

Descrição:
O que é o Colagénio & por que razão o Colagénio é necessário para a Juventude e para a Saúde.

 

À procura da Fonte da Juventude

COLLAGEN - LOOKING FOR THE FOUNTAIN OF YOUTH
Collagen and Aging

Contribuintes: Dr. Warren Chaney, et al

Descrição:
O Colagénio e Envelhecimento, Doenças relacionadas com o Colagénio, a dor das Mãos artríticas

 

 

Como o corpo se reconstrói a si mesmo

HOW THE BODY REBUILDS ITSELF

Contribuintes: O. Steinbrocker, C.H. Traeger, R.C. Batterman, Dr. Warren Chaney, et al

Descrição:
Reparações metabólicas, Bursite, tendinite, e tendinosas. Cartilagem, rugas, e estrias.

 

 

A Perda de peso e o Colagénio

WEIGHT LOSS AND COLLAGEN

Contribuintes: Kari Kivirikko, M.D., Ph.D. , Dr. Warren Chaney

Descrição:
Sobre a Perda de Peso

 

 

A Chave para Parecer e Sentir-se Mais Jovem

COLLAGEN
The Key to Looking and Feeling Younger

Contribuintes: Dr.Stephen Ho, MD, Jeff Wilson

Descrição:
A Natureza do Colagénio

 

 

As limitações do Colagénio Tipo II - ESTUDOS CLÍNICOS

COLLAGEN TYPE II LIMITATIONS

Contribuintes: Dr. Jean-Yves Leroux

Descrição:
A Natureza do Colagénio

 

Colagénio – O LAÇO QUE UNE

Dr. Warren Chaney
O Colagénio é a proteína estrutural fibrosa que compõe as fibras brancas (fibras do Colagénio) da pele, tendão, osso, cartilagem, e de todos os outros tecidos conjuntivos. Também se encontra disperso no corpo, em forma de géis, para fornecer rigidez, como é exemplo o humor vítreo do olho. [1] Por outras palavras, o colagénio é a proteína natural que compõe a maior parte do apoio estrutural do corpo, e é a principal substância de tecido conjuntivo. É o tecido conjuntivo fibroso que mantém o nosso corpo unido. O Colagénio está presente em todos os organismos multi-celulares.

O Colagénio dá resistência e propriedades elásticas aos diferentes órgãos e tecidos. Vinte e cinco por cento do peso da proteína seca do corpo humano é colagénio. Setenta e cinco por cento da nossa pele é feita de colagénio e, no total – cerca de trinta por cento de todo o nosso corpo é colagénio. O colagénio é parte natural da constituição dos tendões, ligamentos, articulações, músculos, cabelo, pele e órgãos vitais. Quando o corpo o fornecimento essencial de colagénio é reduzido, o corpo é afectado. A fraqueza, fadiga, dores, dores, e uma total falta de desempenho são sintomas frequentes associados a esse problema – sintomas que só aumentam à medida que a idade avança.

Além das muitas propriedades estruturais, o colagénio serve como principal catalisador para o crescimento e reparação de quase todos os tecidos do organismo. Muitas das diferentes doenças do envelhecimento estão relacionadas com o fornecimento desta proteína vital para o organismo, assim como com perturbações no próprio colagénio. Quando a produção de colagénio no nosso corpo sofre alterações, também nós sofremos!

A produção de colagénio no nosso corpo diminui drasticamente com o envelhecimento. Este processo em abrandamento – furtivamente e bastante insidioso. Começa a abrandar a partir dos vinte anos de idade, capta velocidade aos trinta e quarenta e, em seguida, apita como um comboio de mercadorias que percorre os nossos anos cinquenta e sessenta. A falta de colagénio, ou o uso inadequado de colagénio pelo nosso organismo, explica o que é a velhice.

Os Cientistas de Investigação têm estado conscientes para este problema, mas até há pouco tempo, pouco se poderia fazer porque a maior parte da suplementação de colagénio não-médico era inútil. O corpo era simplesmente incapaz de assimilá-lo. Ah, claro, você podia encontrar suplementos de colagénio em algumas lojas de saúde alimentar, na parte de trás de revistas, e, ocasionalmente, numa farmácia. Mas estes fizeram pouco ou nada para além de lhe custarem dinheiro.

Felizmente, ocorreu um significativo avanço científico, como resultado de uma parceria entre um Formulador francês, um talentoso grupo de bioquímicos, e um conhecido laboratório médico canadense. Após investigações consideráveis e algum investimento, a parceria desenvolveu uma matriz de colagénio altamente bio activa, que o organismo assimila no início do processo digestivo. O produto chama-se Pure-Col®, e o seu desenvolvimento é tão importante no abrandamento do processo de envelhecimento, aliviando dores associadas à idade, e melhorando a aparência, que se irá debater este assunto numa secção própria, neste capítulo. No entanto, nunca tome qualquer suplemento sem compreender completamente por que razão é necessário. Eu sinto que este produto é necessário, e mostra-se aqui porquê.


Porque é que o Colagénio é necessário para a Juventude e Saúde
O Colagénio é produzido naturalmente pelo organismo e pode ser fornecido a partir de fontes de alimentos seleccionados. É vital para o funcionamento do organismo, porque é o laço de une! A utilização de colagénio pelo organismo não pode ser exagerada. Compões as articulações, músculos, cabelo, pele, tendões e ligamentos do organismo. Fornece a estrutura ao nosso organismo e forma os cabos moleculares que reforçam os tendões. O Colagénio compõe as vastas camadas elásticas que apoiam as nossas peles e órgãos internos. Os ossos e dentes são feitos quando o organismo acrescenta cristais minerais ao colagénio do corpo. [2]

As fibras de colagénio são unidas, como pedaços de tecido para formar uma rede, na qual novas células crescem e se reproduzem. O organismo necessita de construir novas células a qualquer altura, como por exemplo, no processo de cura ou de crescimento, em que o colagénio desempenha o papel central. O colagénio é a substância que protege e apoia os tecidos moles do corpo, e é o que os liga ao nosso esqueleto. [3] Por outras palavras, o colagénio é tanto o material como a cola que mantém nosso corpo unido.


Apêndice:
[1]
Miller-Keane Medical Dictionary, 2002 .
[2] A. Berton, V. Rigot, E. Huet, M. Decarme, Y. Eeckhout, L. Patthy, G. Godeau, W. Hornebeck, G. Bellon, and H. Emonard. Involvement of Fibronectin Type II Repeats in the Efficient Inhibition of Gelatinases A and B by Long-chain Unsaturated Fatty Acids, Journal Of Biological Chemistry, Junho de  2001.
[3] Alex Suh, DC, durante uma entrevista pessoal efectuada em Abril de 2003.  

Voltar ao Topo
 


Colagénio – À procura da Fonte da Juventude
O Colagénio e Envelhecimento
A produção de colagénio no corpo diminui com o envelhecimento. Quer dizer, fica realmente mais lento. Nós primeiro notamos no exterior do nosso corpo, quando as linhas e rugas minúsculas começam a aparecer durante os nossos trinta anos de idade. Nessa altura, a falta de produção de colagénio e os danos no colagénio já afectam o interior dos nossos corpos. Os danos recebem a nossa atenção quando rupturas e entorses se tornam mais grave. As coisas sempre fizemos, como correr ou saltar, de repente parecem mais dolorosas. As lesões que nunca eram sérias até começarem a provocar-nos dores. As dores nas articulações tornam-se mais problemáticas. Estamos a sentir as dores do envelhecimento.
Com o envelhecimento contínuo, o nosso tecido conjuntivo e tecido muscular esgotam-se devido a um aumento de deficiência e de danos no colagénio. Como resultado, nós experimentamos um enfraquecimento da nossa estrutura esquelética. Tal como um bombardeiro furtivo, a deficiência de colagénio espreita-nos sorrateiramente sobre o radar. Um dia nós acordamos e dizemos a nós próprios. Há qualquer coisa que não está bem!
Fora do corpo, o abrandamento da pele na produção de colagénio torna-se cada vez mais acentuado com a idade. A pele começa a ganhar rugas. Perde o brilho da juventude que o nosso parceiro e os nossos entes queridos costumavam admirar. A aparência radiante e saudável desaparece. Em breve, nós desenvolvemos cristas dérmicas e sulcos, marcas vermelhas e manchas castanhas. A nossa pele seca em algumas zonas. Uma certa manhã, olhamo-nos ao espelho e dizemos, Isto não é nada bom! Nessa mesma tarde, percorremos farmácias e lojas de alimentos saudáveis à procura de uma variedade de cremes, pomadas e loções. O anúncio no canal de vendas da TV, sobre o recente milagroso rejuvenescedor de pele, parece, de repente, ter interesse para nós. Só mais tarde, depois de termos aplicado quilos de gordura na nossa pele, e centenas de dólares em loções secretas para os nossos rostos, é que percebemos que quase nada funciona. Porquê? Porque estamos a tratar os sintomas, e não o problema.
A descoloração das mãos é um sintoma há muito associado ao envelhecimento. Desde cedo, as nossas mãos começam a ficar com o aspecto enrugado e áspero de quem esteve num lava-loiça, que faz lembrar os anúncios de televisão de outros tempos. O que nos deprime na actual sociedade “Máquina de lavar louça” de alta tecnologia, é que a maior parte não tive que colocar as suas mãos num lava-loiça!

O Enrugamento prematuro das mãos é um sinal de aparecimento de uma deficiência de colagénio e, em alguns casos, até mesmo a doença do colagénio.
Nós poderíamos aprender a viver com a aparência, se somente a falta de produção de colagénio do corpo parasse aí, mas isso não acontece. Com o défice de colagénio, aparecem as doenças do colagénio.

 

Doenças do Colagénio
As doenças do Colagénio, há muito associadas ao envelhecimento, representam muito mais do que uma única doença dos idosos. A doença do Colagénio caracteriza todo um grupo de doenças que envolvem anomalias do sistema imunitário. Juntamente com as anomalias, também se observam normalmente inflamações do tecido conjuntivo e dos vasos sanguíneos. Este grupo de doenças tem tudo a ver com o tecido conjuntivo do colagénio, que fornece a estrutura de suporte do músculo-esquelético e a cobertura de a protecção, como a pele, as membranas mucosas e a linha dos vasos sanguíneos, para o corpo.
De acordo com as estatísticas mais recentes, cerca de sessenta milhões de americanos sofrem de algum tipo de artrite, juntamente com muitas outras variedades de doenças artríticas. [4] Este número deverá aumentar para mais de setenta e cinco milhões durante os próximos vinte anos. [5] Todos os que sofrem de artrite partilham sintomas comuns de dor severa e perda de movimentos, quer em extensão como em ângulo, todos os quais destroem a juventude e levam a uma diminuição da qualidade de vida. De acrescentar que os
problemas de doença cardiovascular (continua a ser o assassino número um no país) e os efeitos debilitantes do envelhecimento aumentam consideravelmente. [6]
Investigações têm demonstrado que quando as pessoas sofrem de artrite, ocorre um colagénio selectivo destrutivo na cartilagem. Os glóbulos brancos atacam a cartilagem comum, a qual, por sua vez, activa o sistema imunológico para desenvolver anticorpos. Estes anticorpos voltam-se e atacam o que eles entendem ser agora o inimigo, o colagénio. Por conseguinte, a resposta do sistema imunitário é atacar toda a cartilagem que se degenera no corpo. Assim, apesar de poder haver um problema em apenas um pulso ou joelho, ambos os pulsos sentem dor, ambos os joelhos sentem dor, as nossas costas, os nossos quadris, e ambos os ombros sentem dor. No final, o resultado é o mesmo: a dor do envelhecimento aumenta, juntamente com uma acentuada perda de qualidade de vida. [7]
O custo do tratamento tradicional de artrite rebentou, de US$65 biliões em 1992 para cerca de US$480 biliões em 2002. [8] A maior parte do custo foi para pagamentos de invalidez, e perdeu-se tempo e trabalho. [9] A artrite foi um factor de custo resultante de mais de 20000 mortos e dois milhões de hospitalizações por ano. [10] Além disso, houve um custo terrível adicional para se tratar os efeitos colaterais dos medicamentos para o tratamento da artrite, incluindo drogas corticosteróides imune supressivas. Sem sombra de dúvida, a doença do colagénio tornou-se num terrível castigo sobre a sociedade.
As Doenças do colagénio no corpo humano estão divididas em dois grupos principais:


1.. Aquelas geneticamente determinadas ou que sejam o resultado de defeitos estruturais e bioquímicos, e

2. . Aquelas que são adquiridas e nas quais se dão reacções inflamatórias e imunológicas dentro dos tecidos.

Entre o primeiro grupo existem desordens que se distinguem por defeitos estruturais que afectam a formação do próprio colagénio. As doenças do colagénio adquiridas, o segundo grupo, são as que estão mais frequentem
ente associadas ao envelhecimento, embora o primeiro tipo também possa estar. Exemplos de doenças do colagénio adquiridas incluem dermatomiosite e artrite reumatóide. [11]
Doenças reumáticas é um termo usado frequentemente por causa da artrite reumatóide, as mais comuns de todas as doenças neste grupo, exibe todas de muitas características deste grupo.
A dor das mãos artríticas

O plasma sanguíneo de pacientes com a doença do cola génio revela níveis significativos de auto-anticorpos (estes são anticorpos que atacam as próprias proteínas ou células do corpo). Esta reacção antígeno-anticorpo conduz a inflamação de muitos dos tecidos vitais do corpo. As doenças do Colagénio mais comuns incluem artrite reumatóide, febre reumática, lúpus eritematoso, dermatomiosite, poliarterite nodosa e esclerodermia. [12]
A maior parte das doenças do Colagénio, como a artrite reumatóide e febre reumática, são caracterizadas por um elevado número de dor nas articulações. A febre reumática pode também resultar em danos permanentes no coração, uma condição mais proeminente em crianças do que em adultos. O Lúpus eritematoso é auto-imune que provoca alterações nos rins, da pele e de todas as membranas que revestem a cavidade corporal. A dermatomiosite é mais comum, vista como uma erupção cutânea que é acompanhada por dor muscular. Na Poliarterite nodosa, as paredes das artérias são danificados e na esclerodermia, espessas camadas de fibras colágenas são depositados. Ambas as doenças resultam numa função debilitada dos órgãos.

Algumas doenças do colagénio não têm nenhum tratamento satisfatório, mas a maioria pode ser tratada clinicamente. Por exemplo, a artrite reumatóide é geralmente tratada com os mesmos compostos da aspirina, corticosteróides e imunossupressores, utilizados separadamente, ou em combinação uns com os outros. [13] Algumas doenças do colagénio, como a febre reumática, são tratadas com antibióticos, considerando que o Lúpus ou a Poliarterite nodosa são significativamente ajudados por corticosteróides.

Apêndice:
[4]
Shelton, Gene; Collagen Type II and Arthritis, Health Remedies Notebook, 2002.
[5] National Cardiovascular Disease Statistics, Office of the Surgeon General, Washington, D.C. 2003.
[6] Ibid.
[7] Effects of Oral Administration of Type II Collagen on Rheumatoid Arthritis, a Harvard School of Medicine Study published in the Journal of Science, Boston, Massachusetts, Stembro de 1993.
[8] National Cardiovascular Disease Statistics, Office of the Surgeon General, Washington, D.C" 2003.
[9] Ibid.
[10] Cochran, Charles; Lubricate Your Joints, Canadian Journal of Health and Nutrition, Março de 2001.
[11] Christopher M. Overall, Angela E. King, Douglas K. Sam, Aldrich D. Ong, Tim T.Y. Lau, U. Margaretha Wallon, Yves A. DeClerck, and Juliet Atherstone. The Hierarchical Role in Binding Timp-2 of the Unique Cationic Clusters of Hemopexin Modules Iii and Iv; Department of Biochemistry and Moleculard Biology, Faculty of Medicine, University of British Columbia, Vancouver, British Colombia V6T 1Z3, Canada and the Division of Hematology-Oncology, Children's Hospital Los Angeles and University of Southern California, Los Angeles, Caliofrnia, 1998.
[12] Ibid.
[13] Tuan, T.-L., Song, A.K., Chang, S., Younai, S., and Nimni, M.E. In vitro fibroplasia: Matric contaction, cell growth, and collagen production of fibroblasts cultured in fibrin gels. Experimental Cell Research, 223:127-134; 1996.
 

Voltar ao Topo



Como o corpo se reconstrói a si mesmo
Os jovens têm glândulas pituitária que produzem GH em abundância (hormona do crescimento). Com o envelhecimento, esta hormona diminui progressivamente a ênfase passa a ser o colagénio. A função do colagénio no organismo é de converter as moléculas da proteína natural em aminoácidos essenciais necessários ao organismo. Assim, o colagénio desempenha importantes funções de manutenção do corpo.
 
Se o corpo consegue reconstruir reparar-se a si mesmo com eficiência, só dependente da sua capacidade de transformar um recurso corporal num outro. Este processo de síntese proteica é um processo metabólico que requer colagénio como um catalisador. Tal como o colagénio se reduz no corpo, ambos os recursos e os catalisadores também são reduzidos.
A investigação demonstrou que grande parte da reparação do metabolismo vital do corpo ocorre quando dormimos. [14] Há muito que se sabe que o corpo altera de engrenagem pouco depois de adormecer. Move-se a partir do seu estado normal activo participativo, para um estado de reconstrução e de manutenção. É durante este sono que o corpo procura por colagénio disponível e por outros nutrientes importantes, para convertê-los em materiais importantes, necessários ao organismo.
A síntese de colagénio é algo que interessa a quem deseja parecer e sentir-se mais jovem. Por conseguinte, qualquer suplemento alimentar que possa aumentar a reconstrução ou o processo de cicatrização é algo que devemos considerar fortemente.

Os produtores de complementos alimentares de saúde, reconheceram a necessidade dos suplementos de colagénio. Mas, os colagénios não médicos não são bio disponíveis (um termo chique que significa de que o organismo não pode utilizá-lo). Para contornar a situação, alguns fabricantes com menos ética, envolveram-se em esquemas menos próprios de incentivo aos complementos de colagénio que não são absorvíveis, ou certas hormonas precursoras que não fazem nada pelo colagénio.

O corpo é fabricante do seu próprio colagénio todos os dias, mas, uma vez que a produção diminui com a idade, a oferta disponível de colagénio rapidamente torna-se menos do que o suficiente. A deterioração progressiva de várias partes do corpo vai-se tornando visível. Um dos primeiros sinais visíveis é o enrugamento da pele e o início de dores nas articulações inexplicáveis. Repare que eu disse, sinais visíveis de envelhecimento. As rugas e dor articular representam apenas aquilo que está a passar para o exterior do corpo. Só podemos imaginar o que se passa no interior.
Uma vez iniciadas, as condições degenerativas da artrite, a fibromialgia, a dor nas articulações associativas, e outras síndromes, são implacável. Pouco pode ser feito para aliviar a dor, muito menos interromper o processo degenerativo. Não me interpretem mal. O organismo tem a capacidade de se curar a si próprio, mas tem que lhe ser fornecidos os materiais correctos com que possa trabalhar. A cura começa de dentro para fora. O mesmo faz a juventude! Portanto, a única coisa que funciona é eliminar a origem da degeneração antes que ela ocorra.
 

Bursite, tendinite, e Tendinose
A Bursite, tendinite, e tendinose são três das doenças do colagénio mais comuns, que nos afectam à medida que envelhecemos, e que fazem com que nos sintamos e pareçamos mais velhos. A Bursite é causada pela inflamação da artrite ou pela infecção. [15] As áreas das articulações afectadas mais frequentemente são o ombro, cotovelo, punho, quadril, costas, e tornozelo. Indivíduos com bursite sentirão dor, sensibilidade e rigidez perto das zonas afectadas. [16] Como resultado, a fraqueza muscular local desenvolve-se frequentemente como resultado da preocupação em evitar movimentos dolorosos nas articulações, como subir escadas.
A Tendinite, uma inflamação dos tendões, tem sido considerada como a principal causa da dor no tendão, e associada à perda de força e de movimento. Recentemente, os pesquisadores descobriram que a maioria das pessoas diagnosticadas com esta doença não têm qualquer sinal de sinais de inflamação no tendão. Por conseguinte, as ciências médicas ter vindo a classificar a tendinite da forma mais adequada, a Tendinose. Hoje em dia, os termos não se diferenciam.
 
A Tendinose/tendinite é causada por uma ruptura do tecido do tendão composto por colagénio. O colagénio contribui para revestir a estrutura de um tendão e para a sua força. Quando há ruptura do colagénio, aparecem pequenas lágrimas no tendão, enfraquecendo-o e causando dor. Esta doença do colagénio pode afectar tantas crianças como jovens adultos, assim como quem está a envelhecer. Acontece a quem executa movimentos repetitivos nos seus empregos, desportos ou actividades diárias. Quem aplica alcatifas sofre desta doença nos seus joelhos, os escritores nos seus pulsos, e jogadores de ténis nos seus cotovelos.
A Bursite e tendinite/tendinose pode ser tratada com sucesso, repousando as áreas dolorosas, aplicando gelo, ou através medicamentos que eliminam a dor. Isto dá ao corpo tempo para reparar e reproduzir os danos da cartilagem. Desde que o corpo ainda esteja a produzir a quantidade necessária de colagénio.
Artrite

Artrite é um termo geral que descreve inflamação nas articulações. A forma mais comum de artrite é osteoartrite, também chamada de doença degenerativa das articulações. A Osteoartrite está associada a uma ruptura da cartilagem nas articulações, e que ocorre mais frequentemente nos quadris, joelhos, e coluna vertebral. Esta pode afectar drasticamente as articulações do dedo e as articulações dos dedos dos pés. [17] Com sessenta milhões de americanos a sofrerem de artrite, há uma epidemia artrítica. John Klippel, director médico da fundação artrite, afirmou categoricamente, o que deverá ser uma chamada de alerta. Nós sempre suspeitámos que o problema era maior do que tínhamos conhecimento.

Infelizmente, os métodos comuns de tratamento não irão alterar a progressão da osteoartrose. No entanto, dois suplementos nutricionais, a glucosamina e condroitina, foram observados pelas propriedades em aliviar a dor e ajudar a reduzir a ruptura da cartilagem, o que é uma parte significativa da osteoartrose em si. O que é particularmente interessante é que a glucosamina e a condroitina (ambos sulfatos) são componentes da cartilagem normal. Alguns investigadores têm demonstrado com sucesso que as duas substâncias parecem estimular a produção de novo colagénio. A única coisa que poderia ser melhor, seria tomar directamente um complemento de colagénio bio-disponível.


Cartilagem
A cartilagem é um material em borracha bastante firme que cobre as extremidades dos ossos das articulações normais. A função principal da cartilagem é reduzir a fricção das articulações e, uma vez que cartilagem pode mudar de forma quando comprimida, serve como um amortecedor para os ossos.
A cartilagem pode mudar de forma, pois é composto por mais de setenta por cento da água, a qual pode ser redistribuída com a compressão ou com o movimento. Uma vez que a cartilagem não contém nervos, você nunca sente dor quando essas mudanças ocorrem. Quando a doença do colagénio ataca, à medida que envelhecemos, esta qualidade de absorção do choque é reduzida. É por isso que actividades como correr e saltar são cada vez menos confortáveis quando estamos a envelhecer, do que quando éramos mais jovens.

O Colagénio é um componente-chave da cartilagem, fornecendo-lhe a sua força. Quando a produção de colagénio no corpo reduz, a produção de cartilagens é afectada, e assim são todos os sistemas orgânicos que contêm cartilagem.


Colagénio, rugas, e Estrias
A produção de colagénio do corpo na pele começa a cair por volta dos vinte e cinco anos de idade. [18] Mas, realmente aumenta de velocidade aos quarenta e cinquenta anos. Muitos estudos têm demonstrado que a produção natural de colagénio na pele diminui a uma taxa de 1% ao ano, depois dos quarenta anos. Assim, quando uma pessoa chega aos cinquenta e cinco, perderam mais quinze por cento da sua capacidade de produção de colagénio. Aos setenta, a perda é de mais de trinta por cento, para baixo. [19]
Dr. Martinganon Sal, uma autoridade do colagénio reconhecida internacionalmente
Com uma baixa produção de colagénio, a pele retém menos água, emagrece e começa a ganhar rugas, como uma ameixa que se transforma em ameixa seca, ou uma uva se transforma em uva passa. Como resultado, a elastina na pele torna-se ainda mais danificada, detém menos água, e torna-se muito menos elásticas e resilientes.

Um colagénio da pele mais fraco resulta no aumento das lesões, menor número de vasos sanguíneos, e pele mais fraca. Por seu turno, as paredes capilares da pele tornam-se mais espessas, resultando numa redução da oferta de nutrientes e de uma reduzida capacidade em remover produtos contendo água. A pele corre agora um maior risco de infecções, mudança de cor por pigmentação da pele e outras marcas de envelhecimento. Devido ao facto de a pele ser menos saudável, a sua capacidade para servir como uma barreira às bactérias e vírus é reduzida. [20] Isto cria uma nova ronda de problemas do envelhecimento. [21]
Os tratamentos faciais de colagénio, normalmente aplicados em máscaras, são fortemente solicitados em centros de beleza de todo o mundo. Não é incomum pagar-se US$150 – R$300 por um único tratamento, em Beverly Hills ou Nova York. A teoria é que através da aplicação de colagénio directamente na pele, a pele irá absorver e utilizar o material. GRANDE PROBLEMA, AINDA QUE – isso não funciona. A pele não pode absorver as moléculas de colagénio porque são demasiado grandes. O mesmo se aplica à grande maioria das máscaras faciais e cremes vendidos em lojas de cosmética e outros lugares. Estes simplesmente não funcionam. Uma empresa tem desenvolvido e excelente tratamento de colagénio usando uma matriz de colagénio absorvível pela pele. A boa notícia é que os tratamentos não custarão US$300, e eles funcionam, e funcionam com bastante eficácia.
 

Apêndice:
[14] O. Steinbrocker, C.H. Traeger, R.C. Batterman, J.Am. Med. Assoc. 155, 1949 and as referenced and detailed by Dr. Sal Martingano in his Collagen Audio Series, Florida, 2001.
[15] Li S, Fan Y-S, Chow LH, Van Den Diepstraten C, van der Veer E, Sims S, Pickering JG (2001) Innate diversity of adult human arterial smooth muscle cells: cloning of distinct subtypes from the internal thoracic artery. Circulation Research, 89:517-525.
[16] Ibid.
[17] Michael W. Smith, Understanding Arthritis, Treatment and Detection, Junho de 2002.
[18] Anu Muona: Type XV Collagen. Complete structures of the humain COL15A1 and mouse Col15a1 genes, location of type XV collagen protein in mature and developing mouse tissues, and generation of mice expressing truncated type XV collagen. Acta Universitatits Ouluensis D 662, 2001.
[19] Dr. Sal Martinganon, one of the nation's acknowledged collagen experts and researchers, speaking in a taped national radio broadcast appearance, Reasons for Aging , 20002.
[20] DiGiovanna, Augustine G. Human Aging: Biologica


Voltar ao Topo




Perda de peso e Colagénio
Todas as estatísticas actuais indicam fortemente que a raça humana está a perder a batalha da barriga. Na América, mais de 40 milhões de pessoas têm excesso de peso em trinta e cinco por cento, ou mais. Hoje, o cidadão americano médio pesa cerca de oito a dez libras mais do que pesava há uma década atrás.
Tendo em conta a actual revolução do Fitness nos E.U., poder-se-ia pensar que se está a perder peso, mas não é assim. Claros, as pessoas vão para mais ginásios, tomam suplementos, e fogem dos seus limites, para contribuir com mais de US$40 biliões por ano à indústria de fitness e de suplementos. Porém, mesmo assim, os E.U. continuam a ser uma nação de obesos.
 
O peso é um dos grandes contribuintes para o envelhecimento, tanto em saúde e certamente, mais na aparência. Pense nisso! Quando você imagine um homem nos seus quarenta, o que é que você pensa? Muito provavelmente, é um sujeito com uma barriga grande pendurada sobre o seu cinto. Há medida que avança em idade, a barriga torna-se cada vez maior. Com o passar dos anos, a barriga cresce cada vez mais. Todo este peso frontal adicional faz com que o melhor dos homens caminhe para uma postura abatida acentuada. Basta ir para o seu centro comercial mais próximo e assistir. Vai perceber o que eu quero dizer.
As mulheres também não escapam à maldição. Ainda pior para elas, esse efeito vai começar ainda mais cedo do que nos homens. Os quadris alargados, as coxas mais grossos e os braços tornam-se moles. Tudo isto são marcas identificáveis do envelhecimento. À medida que a nossa idade vai avançando, é o nosso tamanho e peso que geralmente tendem a indicar os anos.


Ser-se obeso não é saudável. A investigação médica tem constantemente demonstrado que pessoas obesas correm o dobro do risco de sofrer uma doença cardíaca. É muito pior para o assassino silencioso, as diabetes. As pessoas obesas têm uma maior taxa de probabilidade de contrair esta doença, por um múltiplo de quarenta vezes. Estudos médicos também têm demonstrado que perder qualquer coisa como onze libras poderá reduzir o risco da osteoartrose do joelho em 50%.
Depois há a luta quotidiana prática sobre o tamanho. À medida que a nossa cintura descaída amplia, a nossa lentidão aumenta. O uso e desgaste das articulações de suporte, como os joelhos e os tornozelos, aumenta. Isto, por sua vez, piora a nossa postura, a nossa aparência, a nossa forma de sentir e, em última instância, a nossa auto-imagem
 
Mais pequeno a cada dia
Tal como ganhar de peso, ter dor articular, e uma má postura não contribuíssem o suficiente para parecermo-nos e sentirmo-nos mais velhos, há mais qualquer coisa que mexe. À medida que vamos envelhecendo, ficamos mais baixos. Todo o problema da obesidade relacionado com uma má postura, e com o facto de ficarmos cada vez mais baixos à medida que a idade avança, está relacionado, em muitos aspectos, com a falta de colagénio no corpo, e com a contínua destruição do colagénio. A diminuição na produção de colagénio resulta na diminuição do metabolismo, o que leva a um aumento de peso. O aumento de peso coloca as nossas articulações e discos intervertebrais em stress, que desgastam a nossa postura e altura. [22] Este é o inicio um novo ciclo de doenças do colagénio. Bem, está a ver a questão.
 
O que nos leva ter a altura que nós temos? Certamente, esta é a nossa estrutura esquelética, conforme determinado pelos nossos genes. Se você tem pernas longas, vai ser mais alto do que uma pessoa com pernas curtas. O mesmo acontece se você tem uma longa cintura. Todas as coisas são iguais, uma pessoa com um tronco longo e pernas longas, ficará mais alto do que alguém com um tronco curto e pernas curtas.
É do senso comum, certo? Pois bem, o que dizer sobre isto? Não importa qual é a sua altura, seja alta e ou seja baixa, irá encolher com a idade. Ficar mais baixo Faz parte do processo de envelhecimento. É também uma forma de nos sentirmos mais velhos.
Parte da nossa altura é feita de cartilagem entre os nossos discos. O stress físico, a má postura, o aumento de peso e o processo de envelhecimento fazem com que estes discos se desgastem. À medida que vão ficando mais finos, o corpo encolhe. Não é incomum ver os idosos a perder oito polegadas ou mais de altura, quando atingem os setenta e nove anos de idade. [23]
Os problemas de redução da cartilagem agravam ainda mais o processo de encolhimento da pessoa. Sem uma boa oferta de colagénio, o corpo não se pode auto reparar, de forma que este continua a decrescer. Além disso, a perda de massa óssea que ocorre com o envelhecimento cria uma situação em que a estrutura humana não só se torna mais pequena, como também começa a torcer-se e virar-se. Isto provoca mais stress à coluna vertebral já danificada. Quantas pessoas idosas você conhece, que não só ficaram mais pequenas do que eram quando eram mais jovens, mas que também ficaram mais curvadas e deformadas. Não admira que a forma como caminham seja tudo menos juvenil. Não admira que a sua atitude mental seja afectada.
 
Os problemas da diminuição do abastecimento de colagénio não se dão apenas nos mais idosos. Os mais jovens, a população acima dos trinta e cinco anos, também sofrem do início das doenças do colagénio degenerativas avançadas. [24] É certo que os efeitos negativos de um processo alimentar pobre também deixam as suas marcas. Os nutrientes de que deveríamos receber da nossa alimentação são deitados fora. Além disso, a população em geral sofre de uma total falta de compreensão nutricional. Ao invés de aprender a maneira correcta de alimentar o corpo, muitos percorrem os sites das celebridades mais recentes, esperando ter encontrado a resposta mágica. Mas eles não encontram essa resposta. Quantas celebridades você conhece que perderam peso, alegam que o seu sistema é um sucesso, escrevem um livro sobre ele, e depois, quase imediatamente, voltam a ganhar peso? Deste tipo de escrita, há uma personalidade muito popular da televisão que escreveu, nada mais do que quatro livros sobre o seu sistema de perda de peso. Um livro para cada vez que ela perdia peso, acabando por recuperá-lo de volta. Agora pergunto-lhe, fará sentido dar ouvidos a uma pessoa assim? Claro que não. Existem respostas simples e vamos discuti-las.


Apêndice:
[22] Leroux, Jean-Yves, Ph.D., a well know Canadian immunologist specializing in collagen research, speaking during a nationally broadcast television special, The Loss of Youth , 2003.
[23] Kari Kivirikko, M.D., Ph.D. and Taina Pihlajaniemi, M.D., Ph.D. Molecular biology of collagens and enzymes of collagen biosynthesis. Collagen Research Unit, Biocenter Oulu and Department of Medical Biochemistry and Molecular Biology University of Oulu, Finland, 2001.
[24] Kari Kivirikko, M.D., Ph.D. and Taina Pihlajaniemi, M.D., Ph.D. Molecular biology of collagens and enzymes of collagen biosynthesis. Collagen Research Unit, Biocenter Oulu and Department of Medical Biochemistry and Molecular Biology University of Oulu, Finland, 2001.

Voltar ao Topo



COLAGÉNIO


A Chave para Parecer e Sentir-se Mais Jovem:

O colagénio tipo II é o colagénio principal encontrado na cartilagem e é a substância que confere à cartilagem a sua resistência à tracção. [25] A chave para a construção ou reparação das partes do corpo está na capacidade de transformar colagénio em outros recursos, conforme requerido pelo organismo. Portanto, a fim de desenvolver mais músculos, tendões e ligamentos, de reconstruir e reparar órgãos e pele, o corpo deve passar por um processo de síntese proteica. Este processo metabólico requer um catalisador (uma substância que aumente a taxa de uma reacção química, sem sofrer qualquer alteração em si), que é o colagénio. [26]
 
Perder peso enquanto dorme
Até recentemente, perder peso, enquanto você dormia era um mito e um esquema fraudulento. Perder peso desta forma foi um sonho de anos. Agora, é mais do que uma realidade. Com toda a franqueza, todos nós perdemos uma certa quantidade de peso enquanto dormimos por causa da conversão metabólica do colagénio e do corpo, de que temos vindo a discutir. A grande maioria do trabalho catalítico do colagénio é melhor conduzido pelo organismo à noite, durante o nosso sono. [27] A conversão de materiais no corpo requer energia, e na ausência de um estômago cheio de carbohidratos simples/açúcar (é a mesma coisa), a fonte de energia preferida do organismo é gordura. [28] Assim, mais uma razão para não encher o corpo de carbohidratos antes de ir para a cama.

O sono ocorre em fases ou etapas. Os termos chiques são frequentemente associados a padrões de sono com um fascínio quase místico. Muitas vezes, sua utilização é errada. O sono é importante. O sono afecta a nossa juventude e a nossa idade, por isso deixe-me desenvolver este tema mais um pouco.
Assim que adormecemos, estamos num estado de semi-consciência. Durante este período, estamos vagamente conscientes do que está a acontecer ao nosso redor. É neste sono leve que somos mais sugestivos. As pessoas podem falar connosco, podemos responder, e não nos lembrarmos de uma palavra da conversa na manhã seguinte. Aquelas pessoas que praticam hipnose fazem-no este nível do sono. A primeira fase ou o nível de sono é o período em que a mente activa está a preparar-se para se entregar à mente subconsciente. Às vezes, ela resiste e despertamos sobressaltados. É quando temos a sensação de queda.
Rapidamente passamos do primeiro nível do sono para um estado em que temos funções básicas no cérebro e corpo, e é esta a fase que pretendemos abordar. É o estado em que o corpo está no seu melhor estado físico de relaxamento. Depois disto, o lado subconsciente do cérebro desperta, e o corpo inicia o estado de sonho. O estado de sonho é caracterizado por movimentos oculares rápidos causados pelo nosso olhar em volta durante o sonho. Isto é frequentemente referido como o sono REM. [29]
Contrariamente ao que já leu ou ouviu, você não passa de um estado para o outro e, depois outro e, em seguida, desperta. Ao invés disso, passam pela maioria dos níveis de sono por várias vezes. Na realidade, fazer o contrário resulta num sono menos repousante.
O organismo repara-se a si mesmo em ambos os níveis 2 e 3, mas trabalha principalmente a nível do REM. Muitas vezes auto repara-se no nível três, e retorna ao D & R (descanso e recuperação) no nível, 2 antes de voltar a trabalhar no nível 3. E assim o ciclo do sono continua.
É durante o sono REM que o corpo primeiro converte o colagénio e outros nutrientes disponíveis em novas matérias corporais. É necessária uma extraordinária quantidade de energia para fazer isso. Quanto mais eficientes forem os motores de conversão, mais calorias de energia são queimadas. Da mesma forma, quanto mais défice de colagénio existir, menos calorias que serão utilizadas.
Um dos efeitos colaterais negativos dos comprimidos para dormir é que encurtam o circuito dos níveis do sono, muitas vezes ignorando o sono REM para nos ajudar a alcançar o estado não sonho quimicamente induzido.
Uma consequência notável da actividade do corpo durante a noite é a perda de peso na parte da manhã. Tenha em mente que a conversão efectiva de colagénio opera para reparar os tendões, a pele, as cartilagens, e os órgãos vitais, assim como na produção de ossos e músculos. [30] Observe como os adolescentes dormem mais da parte da manhã, e como seu metabolismo é elevado. O mesmo é verdade para as crianças que não adormecem necessariamente mais cedo, mas conseguem obter entre onze a doze horas de sono. Diga isso a uma pessoa de setenta anos de idade que se sente bem, se ele ou ela consegue ter um sono de sete horas de sono. Mas, quem é que consegue desperdiçar mais tempo e manter o peso? O adolescente. Caso fechado!

A Natureza do Colagénio
A cartilagem é composta por quatro ou cinco tipos diferentes de colagénio. Existem catorze tipos diferentes de colagénio no total, mas há vários colagénios primários que são os mais medicinais. Um deles, o colagénio tipo II, quando feito correctamente, e numerosos estudos médicos, tem demonstrado que ajuda a:

1. Melhorar drasticamente a textura da pele.

2. Reduzir a dor nas articulações provocadas por lesão, deformações, ou artrite.

3. Reduzir rapidamente o inchaço e a sensibilidade nas articulações.

4. Promover a cura nos tendões, cartilagens ou lesões nas articulações.

5. Promover uma maior perda de peso, quando tomado como indicado.

6. Promover um aumento de força e de músculo, quando utilizado juntamente com exercício físico.

7. Abrandar drasticamente o processo de envelhecimento global. [31]

De todos os colagénios, o Tipo II funciona melhor porque é o mais facilmente assimilado e utilizado pelo organismo. Não é tóxico nem tem os perigos relacionados com a saúde, comuns a muitos dos asteróides ou a outras medicações. Em suma, a investigação tem provado que o colagénio Tipo II é realmente uma descoberta avançada no controle da dor provocada por doenças do colagénio, tais como artrite e artrose. Este parece ser superior a qualquer um dos sulfatos tradicionalmente utilizados para tratar essas condições. [32]
O Colagénio Tipo II contém o maior número de anti-inflamatórios e de substâncias que ajudam as articulações, chamadas de proteoglicanos, incluindo sulfato de glucosamina. Estes proteoglicanos têm mais de 30 anos de estudos que defendem a sua capacidade de reconstruir a cartilagem. O Tipo II contém também uma elevada concentração de sulfato condroitina, um poderoso agente anti-inflamatório que também apoia o tecido mole. Tem sido demonstrado clinicamente que o colagénio do tipo II reduz os danos oxidativos das articulações e, na verdade, é muito superior do que tomar as próprias glucosamina condroitina.
Uma grande vantagem do colagénio tipo II é que é muito mais absorvível do que glucosamina, condroitina ou suplementos de cartilagem, tais como cartilagem de tubarão ou de frango. Isto significa que tem de ser tomado muito menos colagénio tipo II, em comparação com as outras substâncias. O Tipo II produz um efeito benéfico muito maior.
 

Apêndice:
[25] Collagen Studies, Brown University - Department of Orthopedics, 1997.
[26] Bjorn Steffensen Dagger, Heather F. Bigg, and Christopher M. Overall; The Involvement of the Fibronectin Type II Modules of Human Gelatinase A in Cell Surface Localization and Activation; ABSTRACT from the Faculty of Dentistry and Department of Biochemistry and Molecular Biology, Faculty of Medicine, University of British Columbia, Vancouver, British Columbia V6T 1Z3, Canada.
[27] Ho, Stephen, MD, A Catalistic Study of Collagen Interaction, Journal of Applied Research, Las Vegas, NA, 2003.
[28] Jeff Wilson, Osamu Matsushita, Joshua Sakin, Ca2+ induced switch from helix to sheet triggers collagen binding. American Crystallographic Association Annual Meeting, 21 de Julho de 2001.
[29] Leroux, Jean-Yves, Ph.D., a well known Canadian immunologist specializing in collagen research, speaking during a nationally broadcast television special, The Loss of Youth , 2003.
[30] Hunter, G.K. and Goldberg, H.A. (1994) Modulation of Crystal Formation by Bone Phosphoproteins: Role of Glutamic Acid-Rich Sequences in the Nucleatin of Hydroxyapatite by Bone Sialoprotein. Biochemistry Journal, 302, 175-179.
[31] N.A. Nandriopoulos et al., Arthritis Rheum. 19, 613 (1976); D.E. Trentham, R.A. Dynesisus, R.E. Rocklin, J.R. David, New England Journal of Medicine, 299, 327 (1978); A. Tarkowski, L. Klareskog, H. Carlsten, P. Herberts, W.J. Koopman, Arthritis Rheumatism, 32, 1087 (1989).
[32] Leroux, Jean-Yves, Ph.D., a well known Canadian immunologist specializing in collagen research, speaking during a nationally broadcast television special, The Loss of Youth , 2003.

Voltar ao Topo



LIMITAÇÕES DO COLAGÉNIO TIPO Il  - ESTUDOS CLÍNICOS
O Colagénio Tipo II tem uma capacidade limitada, por si só. Lembre-se do exemplo da cartilagem. Não se trata de uma espécie de cartilagem. Trata-se de quatro. Por conseguinte, qualquer produto que só fornece um único tipo de COLAGÉNIO seria muito limitado.


Dr. Jean-Yves Leroux, conhecido perito canadense na investigação do colagénio e Imunologista.
Os cientistas têm conhecimento das limitações do colagénio Tipo II, sendo a razão pela qual se concentraram nos derivados, tais como a glucosamina. De acordo com o bem conhecido cientista de investigação canadense, Dr. Jean Yves Leroux, o derivado irá executar muito melhor do que apenas o componente colagénio isolado.


A Matrix de Colagénio Mais Superior
A matriz do colagénio é uma substância segura e bem formulada, que estimula a produção de vários tipos diferentes de colagénio no corpo. A matriz de colagénio, formulada a partir de colagénio puro, produz resultados incríveis no corpo humano, quando usada numa base regular. Os resultados são geralmente observados entre alguns dias a semanas depois. Parece que o mecanismo de acção por parte da matriz do colagénio é o seu efeito sobre os glóbulos brancos, localizado dentro do GALT (tecido linfóide intestinal), que faz parte do nosso sistema imunológico. À medida que o sistema imunológico é envelhecido, juntamente com os radicais livres, começam a atacar a cartilagem do organismo, induzindo muitas doenças do colagénio, sobre as quais temos discutido. Quando a matriz de colagénio é introduzida no corpo, as células que estão a atacar devoram algumas das novas células de colagénio Tipo II que são produzidas e, em seguida, identificam-nas como um amigo, e não um inimigo. O sistema imunológico é então alertado para deixar de atacar o colagénio tipo II. Em última instância, isto diminui o número de incidentes em parte responsáveis pela reacção inflamatória na artrite e noutras dores nas articulações.


O fornecimento de proteoglicanos da matriz de colagénio produzido também inibe a formação de vasos sanguíneos nas articulações e reduz o ataque de enzima na cartilagem. Isso produz um rejuvenescimento das células produtoras de cartilagem e uma diminuição na destruição das articulações. Estes mesmos proteoglicanos também aumentam eficazmente a espessura e lubrificação do líquido sinovial, o fluido que lubrifica as articulações.
De acrescentar que, um suplemento eficaz de matriz de colagénio na sua forma pura, frio-pressionado e não pasteurizado, também enche o corpo com inibidores de radicais livres. Infelizmente, todos excepto um colagénio disponível no mercado, destroem grande parte da sua eficácia pela pasteurização e por o acrescentarem a um líquido. Esse é o lado mau. O lado bom é nós só precisamos de um produto.
 

Os Produtos de Colagénio Não São Todos a Mesma Coisa
Deixem-me começar por dizer que eu não possuo nenhuma acção da Empresa Genaco®, nem nunca me pagaram um centavo a mais para eu recomendar o produto Pure-Col®, do que para os outros produtos que eu já recomendei neste livro. No entanto, já examinei a grande maioria dos produtos de colagénio que existem no mercado, e constatei que Pure-Col® é de longe o melhor.

Nem todos os produtos de colagénio são iguais, e nem todos proporcionam um colagénio medicamente eficaz. A maior parte dos colagénios são tão mal absorvidos que acabam por ser um desperdício de dinheiro. De todos os poucos produtos de Colagénio que restam, a maioria tem uma taxa de absorção muito baixa, qualquer coisa perto dos vinte por cento.
Existem apenas dois produtos de colagénio que ajudam na perda de peso, na reparação de lesões e melhoram a pele. Um deles é o Colagénio líquido Tipo II, e o outro é Pure-Col®, uma matriz de colagénio em forma de cápsula.

Pure-Col® é o melhor dos produtos, porque é, antes de mais, uma matriz de colagénio. Este estimula a produção de todos os tipos de colagénio em vez de fornecer apenas um dos catorze. Pure-Col® é produzido a partir de colagénio puro, através de um processo de formulação difícil realizada no Canadá, como resultado de uma parceria entre a DirectLab e um formulador francês. O produto final é Genaco®, o qual tem demonstrado ter a mais alta bio disponibilidade, comparando com qualquer dos restantes produtos de colagénio, incluindo o líquido.

Um facto pouco conhecido é que qualquer tipo de colagénio, especialmente do Tipo II, começa a degradar-se no momento em que está exposto a líquido. Assim, preparações líquidas feitas com este tipo de colagénio começam a degradar-se imediatamente. Para parar esta situação, os enchimentos, os agentes de conservação, e outros ingredientes são adicionados para atrasar esse processo. Este processo adicional provoca uma bio-conversão negativa, o que limita a eficácia do produto.
Num estudo bastante significativo de três meses, que comparou Pure-Col® com um líquido e um colagénio do mercado, o Dr. Stephen Ho, um conhecido médico traumatologista, avaliou os resultados utilizando cinco grupos de pessoas teste. Cada grupo era composto por 30 indivíduos, todos semelhantes em tamanho, peso, estado de saúde, idade e sexo.

Ao primeiro grupo foi dado o produto Pure-Col®, a ser tomado durante um prazo de 90 dias; o segundo grupo teve colagénio líquido; o terceiro grupo recebeu um suplemento de colagénio vendido normalmente no mercado; e ao quarto grupo foi dado um placebo composto por ingredientes neutros; enquanto que ao quinto grupo (o grupo controle) foi lhe foi dado nada.
Foi verificada a condição física dos indivíduos antes e após os 90 dias de estudo, para comparar os grupos. O Grupo de Pure-Col® teve os melhores resultados, seguidos dos de colagénio líquido, do de colagénio do mercado, de placebo e, em seguida, o grupo de controlo. O estudo foi independente, não foi paga qualquer quantia ao Dr. Perda média de 10,5lbs, por qualquer entidade comercial, para o levar a fazer este estudo. A tabela I resume os resultados.

 

Colagénio e Colagénio Tipo II

Sumário dos resultados do Estudo Comparativo

Grupo Teste

Grupo I

Pure Col®

Grupo II

Colagénio Liquido

Grupo III

Colagénio no mercado

Grupo IV

Placebo

Grupo V

Grupo de controlo

Perda de Peso

Perda média de 18 lbs Perda média de 10,5lbs Perda média de 3lbs Perda média de 2lbs Ganho médio de 2lbs
Redução de gordura corporal Perda média de 10% Perda média de 4%

Perda média Nenhuma

Perda média Nenhuma

Ganho médio de  2%
Redução de dores

Considerável

Favorável Alguma Alguma Nenhuma
Mudanças visíveis na pele

Considerável

Favorável Muito pouca Nenhuma Nenhuma
Mudanças para um aspecto mais jovem & vigoroso

Considerável

Favorável Muito pouca  Poucas Nenhuma


*Estudo de 5 grupos, de 30 pessoas teste cada, durante um período de 90 dias.


O grupo Pure-Col® registou melhorias consideráveis na redução de peso e gordura corporal, juntamente com uma redução considerável das dores. Este grupo também registou aumentos notáveis nos seus sentimentos de juventude e vigor. O grupo do colagénio líquido, usando um colagénio tipo II em forma líquida, demonstrou melhorias, mas quase 30% abaixo do grupo Pure-Col®.

O grupo III, ao qual foi administrada um colagénio encontrado no mercado, mostrou apenas uma melhoria nominal. O grupo placebo, Grupo IV, recebeu apenas uma cápsula não bioactiva. Registaram-se pequenas melhorias, a maioria das podem ser contabilizadas psicologicamente, pois os indivíduos esperavam ter resultados. Este grupo não sabia que não estava a utilizar colagénio de todo.
 Ao grupo controle, Grupo V, não foi dado colagénio Tipo II nem placebo. Eles tinham semelhanças para com os restantes grupos de I a IV, na composição, idade, género e saúde. Foi feita uma verificação do historial dos indivíduos no início e no fim do estudo. Para além de um ligeiro aumento de peso e de gordura corporal, não foram observadas outras alterações.

A conclusão do Dr. Ho foi de que a matriz de colagénio puro da marca Pure-Col®, em estado sólido, foi muito superior à do líquido ou ao do colagénio existente no mercado. Também concluiu que Pure-Col®, tomad0 regularmente, resultou numa aparência e numa sensação mais jovem. As dores diminuíram, juntamente com uma diminuição significativa do peso corporal e gordura corporal. Também informou que o grupo que tomou Pure-Col® registou um sono mais repousante e longo, assim como mais energia durante as horas de actividade.

Numa transmissão de um canal de televisão nacional, sobre o envelhecimento, o Dr. Sal Martingano, um dos especialistas em colagénio tipo II, explicou as razões pelas quais o produto Pure-Col® teve resultados muito melhores no estudo comparativo.
 

"A minha experiência e pesquisa descobriram que o delicado processo de utilização de colagénio é destruído, até mesmo uma matriz de colagénio quando produzida pelo processo tradicional de extracção de calor. Os produtos que têm colagénio numa mistura de solução, começam o processo de oxidação e perda de potência muito antes de usá-lo, o que permite que apenas uma fracção do conteúdo de colagénio seja absorvido.
 O estado ideal de corpo do colagénio é sem água ou outros solventes. O colagénio puro é praticamente uma molécula pré-digerida, no sentido em que o organismo o possa absorver directamente através do estômago sem diminuir os efeitos do ácido."
Dr. Sal Martingano, Março de 2003

"Nós consideramos utilizar uma base líquida porque a média teria custado muito menos do que o processo que agora uso. O problema é a degradação do colagénio. Este começa a deteriorar-se quase imediatamente. Para impedir que isso aconteça, teríamos de acrescentar conservantes e outros produtos químicos líquidos, assim como fazem os produtores de colagénio líquido. Feito. Isso, marginalmente, só ajuda e cria outros problemas para o colagénio."
Dr. Jean-Yves Leroux, Imunologista/Bioquímico, Maio de 2003

 

O Formulador de Pure-Col, o canadense Guy Michaud, sublinhou, numa conversa pessoal que teve comigo, que a decisão foi tomada quando se deu inicio ao desenvolvimento de um sistema integrado que permitisse que a Matriz de Pure-Col® Colagénio fosse quase 100% bio disponível para o corpo. Como resultado de segredo comercial, um sistema não homogeneizado de prensagem a frio, Pure-Col® pode ser absorvido directamente, uma vez que entra no estômago, evitando os efeitos diminutivos do ácido, duma posterior digestão.
Dr. Patrick Price, um profissional da saúde de Houston, organizou um estudo independente bastante significativo sobre de Genaco®, onde utilizou três grupos de pacientes com características essencialmente idênticas. Dr. Price constatou que Pure-Col® produzia uma observável melhoria na energia, no alívio das doenças artríticas e da dor e na textura da pele. Um grupo placebo teve apenas pequenas melhorias, e o grupo controle, tal como no estudo do Dr. Ho, permaneceu na mesma.
As conclusões dos recentes estudos de investigação dos Dr. Stephen Ho e Patrick Price produzam resultados em consonância com muitos outros estudos efectuados sobre o colagénio, realizados em actividades de investigação em todo o mundo.
 

RESUMO
Existem 14 colagénios que compõem a maior parte do corpo da pele, tendões, ossos, cartilagens e outros tecidos conjuntivos. Embora naturalmente produzido pelo organismo, a produção de colagénio diminui após os 25 anos de idade. Aos 55 anos, mais de 15% da capacidade de produção do corpo já não existe. Após os 70 anos, perde-se mais de 30%, e por ai abaixo.
 

Grande parte do trabalho de reparação do corpo ocorre durante a noite. Sob as condições adequadas, pode ocorrer uma perda de peso considerável durante esse período. Tal como a produção de colagénio do corpo entra em declínio, o mesmo acontece com a quantidade de tempo de sono.

As doenças degenerativas do colagénio associadas ao envelhecimento afectam todo o corpo. As doenças do colagénio incluem artrite, fibromialgia, bursite, tendinite, e outras condições associadas. Rugas, manchas da idade, e dor nas articulações são sintomas de colagénio degenerado.

Recentemente, surgiram novos produtos de colagénio no mercado que ajudam nas doenças do colagénio. Estes tendem a ser colagénio Tipo II, matriz de colagénio e de produtos derivados de colagénio, tais como glucosamina-condroitina. Dos três, a matriz de colagénio tem provado ser superior aos outros.
A Matrix é recomendada em forma de Pure-Col®, que renuncia um processo de pasteurização e imersão em líquido. Isto mantém este produto muito mais bio-activo do que os outros produtos que foram testados clinicamente.
 

A conclusão é esta: a matriz de colagénio e colagénio tipo II funcionam. A matriz é melhor. Uma investigação independente revelou que Pure-Col® é o produto mais utilizável e mais fácil de ser assimilado, comparando com todos os produtos de colagénio disponíveis no mercado. Perder o excesso de peso e gordura corporal não são nada maus efeitos colaterais.
 

Voltar ao Topo